A Accenture e a Philips anunciam a criação de uma aplicação para mostrar como os pacientes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) podem ter mais controlo das suas vidas por meio de ordens do seu cére

Agosto 13, 2014

O software conecta Emotiv Insight Brainware com um dispositivo wearable que permite aos usuários enviar ordens à iluminação da Philips Hue, a sua Smart TV e aos produtos Lifeline.

 

Andover, Massachusetts e New York – A semana passada, a Royal Philips(NYSE: PHG; AEX: PHIA) e a Accenture (NYSE: ACN) anunciaram o desenvolvimento de um software que conecta um dispositivo wearable ao Emotiv Insight Brainware. Este dispositivo poderia, finalmente, dar mais independência a pacientes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) e outras doenças neurodegenerativas. A ELA, ou doença de Lou Gehrig, afeta mais de 400 mil pessoas por ano, ataca as células nervosas do cérebro e da medula espinal, diminuindo gradualmente a ação muscular voluntária. Alguns dos pacientes em etapas avançadas ficam totalmente paralisados mesmo que mantenham as funções cerebrais.

 

“Esta prova de conceito exemplifica como as pessoas, dispositivos, dados e tecnologia podem ser conetados de forma imediata para ajudar a melhorar a qualidade de vida dos pacientes onde quer que estejam durante o dia, além dos muros do hospital”, disse Jeroen Tas, o CEO de Soluções e Serviços de Informática Sanitaria da Philips. “A Philips vai continuar a colaborar com companhias inovadoras de tecnologia, como a Accenture, para explorar novas soluções wearable e sensores que possam mudar a vida das pessoas e criar um futuro mais saudável”. 

 

Funcionamento

Quando um wearable e o Emotiv Insight Brainware, que analisa as ondas cerebrais EEG, são conectados a uma tablet, os usuários podem emitir ordens por meio do seu cérebro para controlar os produtos da Philips, incluindo o Serviço de Alerta Médica Philips Lifeline, Philips SmartTV (com TP Vision) e o sistema de iluminação pessoal sem fio, Philips Hue. A tablet também permite o controlo destes produtos através da visão e da voz. Em ambos os casos, uma pessoa pode transmitir mensagens preconfiguradas, solicitar assistência médica e controlar a televisão e a iluminação do lar. A Accenture e a Philips desenvolveram o software que permite a integração e a interação entre estas múltiplas tecnologias.


Esta nova aplicação demonstra como a tecnologia existente pode ser utilizada para transformar a qualidade de vida dos pacientes com ELA. Os pacientes com perda do controlo muscular e da capacidade do rastreio ocular continuam a poder interatuar com os produtos conectados da Philips no ambiente doméstico por meio de ordens cerebrais. A tecnologia Emotiv utiliza sensores para sintonizar os sinais elétricos produzidos pelo cérebro do usuário para assim poder detetar os seus pensamentos, sentimentos e expressões em tempo real.  O dispositivo wearable proporciona feedback visual que permite ao usuário navegar pelo menu da aplicação.

 

Os Laboratórios de tecnologia da Accenture em San José (California), em parceria com o Digital Acelerador Lab da Philips, na Holanda, criaram o software que interatua com o Emotiv Insight Brainware e o dispositivo wearable. A Fjord, uma consultoria de design, propriedade da Accenture Interactive, fez o desenho da interface do usuário do dispositivo.

 

“Esta prova de conceito mostra o potencial da tecnologia wearable de uma forma nova e poderosa; ajuda às pessoas com graves doenças e problemas de mobilidade a retomar certo controle da sua vida, através da inovação digital”, disse Paul Daugherty, o Chief Technology Officer da Accenture. “É mais uma demonstração de como a colaboração entre Accenture e Philips com outras companhias tecnológicas inovadoras, tem como fim a melhora da vida das pessoas com problemas de saúde”.

 

“Conseguir que as pessoas com a doença de Lou Gehring possam ter uma vida plena e a razão de ser da Associação ELA”, disse Ineke Zaal, o portavoz da Stichting ALS na Holanda. “Estamos muito animados sobre o potencial deste conceito para dar às pessoas com ELA maior independência e qualidade de vida, à medida que continuamos a procurar ativamente a cura”.

 

Para mais informação sobre a aplicação para o controlo das tecnologias conectadas da Philips através de ordens cerebrais, clique em http://www.philips.com/braincommand e faça parte da conversa no grupo de LinkedIn Innovations in Health .

 

*Fonte: International Alliance of ALS/MND Associations

Para mais informação:

Ángeles Barrios

Philips Ibérica 

Diretora de Comunicação, RR.PP. e RSC

Tel: 915669040

angeles.barrios@philips.com 

          

Beatriz Jiménez

Philips Ibérica

Comunicação, RR.PP. e RSC

91 5669186

beatriz.jimenez@philips.com

.

Sobre a Royal Philips

A Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHI) é uma empresa cujas atividades cobrem todos os aspetos de Cuidado de Saúde e Bem-estar, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida das pessoas através das inovações nas áreas de Consumo e Estilo de Vida, Cuidados de Saúde e Iluminação. Com sede na Holanda, a Philips tem um volume de negócios de 23.300 milhões de Euros em 2013 e emprega aproximadamente 112.000 funcionários em mais de 100 países. A companhia é líder global em cuidados críticos e problemas cardíacos, telemonitorização, em soluções para iluminação baseada na eficiência energética e novas aplicações de iluminação, bem como uma sólida posição de liderança no barbear, cuidados pessoais e saúde oral. Para conhecer as últimas notícias sobre a Philips consulte o site: www.philips.pt

.

Sobre a Accenture

A Accenture é uma companhia global de consultoria de gestão, serviços tecnológicos e outsourcing, conta com 293.000 profissionais e oferece seus serviços a mais de 120 países. A Accenture colabora com os clientes para ajudá-los a se tornarem companhias e governos de alto desempenho, por meio da combinação de uma experiência única, de grandes capacidades em todos os setores e funções do negócio e uma amplia pesquisa nas companhias com mais sucesso do mundo. A Accenture teve um beneficio líquido de 28.600 milhões de dólares durante o ano fiscal, fechado a dia 31 de agosto de 2013. Consulte a sua página em www.accenture.es 

.

Sobre o Emotiv

O Emotiv é uma companhia de bioinformática que oferece uma plataforma de crow-sourcing para o estudo do cérebro. O Emotiv utiliza a informação da nuvem, o big data e a tecnologia móvel para oferecer importantes pontos de vista e para acelerar as pesquisas ao cérebro a nível mundial. O seu site é www.emotiv.com.

.