Vídeo Utilizar dispositivos móveis para gerir alarmes de monitorização com o Philips CareEvent

Com o contexto clínico nas suas mãos, os profissionais de saúde do Isala Women and Children’s Hospital podem tomar decisões informadas para responderem a um alarme, comunicarem com um colega ou marcarem-no como não acionável. 

Gestão de alarmes

Serviços de análise, consultoria, formação e criação de relatórios combinados com tecnologias de alarme configuráveis e personalizados para a sua organização.

 

Os alarmes visuais e os sons de alarme em ambientes de cuidados intensivos podem contribuir para erros médicos e causar stress desnecessário, bem como sobrecarregar os profissionais de saúde e pacientes.1 Alguns profissionais de saúde são assoberbados com 150 a 350 condições de alarme por paciente por dia.2 O resultado pode incluir o esgotamento do pessoal e perda de produtividade, bem como transferências desnecessárias de pacientes para a UCI e longos períodos de internamento.3

Mantenha a sua concentração em alarmes de pacientes acionáveis

 

Os sinais de alarme não acionáveis são frequentemente causados por artefactos causados pelos movimentos, pela manipulação ou movimento do paciente, pelos limites de alarme inadequados ou por tecnologia defeituosa, e podem desviar o tempo e a atenção dos pacientes.4 A nossa solução pode ser configurada para alertar profissionais de saúde quando os sinais vitais atingirem os limites definidos e permanecer em silêncio quando os eventos não são acionáveis. Com um CareEvent que traz alarmes e informações para os profissionais de saúde em movimento, ferramentas de criação de relatórios e análise, e serviços de consultoria e educação clínica para aperfeiçoar a sua abordagem, pode obter controlo sobre os alarmes clínicos em ambientes de cuidados críticos.

"Após a implementação de todas as alterações, reduzimos os nossos alarmes em 40%, excedendo o nosso objetivo inicial a proporção de um quarto."

– Ineke van de Pol

Enfermeira da UCI, St. Antonius Hospital

Ícone de benefícios

Benefícios

Clínicos

Redução de alarmes não acionáveis3e lacunas nos protocolos de alarmes

Maior segurança do paciente com, possivelmente, menos alarmes verdadeiros positivos perdidos5

Melhoria do sono e descanso6

Melhoria da satisfação do paciente e da família6

Financeiros

Tempo de internamento do paciente reduzido7

Danos evitáveis no paciente e repercussões potencialmente dispendiosas das transferências para a UCI, tempo prolongado de internamento  e litígio8-14

Diminuição da rotatividade do pessoal6

Operacionais

Maior satisfação do pessoal, maior produtividade e menos esgotamento4,15

Fadiga de alarme reduzida5,16,17

Melhor utilização dos recursos de enfermagem18(cerca de 10% do tempo de serviços de enfermagem é perdido a responder a alarmes não acionáveis)

Ícone de ponto de interrogação

Por que motivo investir num ambiente de recuperação?

Os alarmes excessivos e não acionáveis são uma ameaça grave nos cuidados de saúde. Os hospitais e as organizações de cuidados de saúde podem considerar que chegou o momento de implementar um programa abrangente de gestão de alarmes porque:

A fadiga de alarme está a levar ao esgotamento do pessoal, à insatisfação e à grande rotatividade

 

Um evento adverso para o paciente, ou  mesmo a morte, está a necessitar de uma avaliação dos processos

 

Uma prioridade organizacional para criar um ambiente de recuperação mais tranquilo para pacientes e famílias

 

Os equipamentos mais antigos precisam de ser atualizados e a análise de alarmes está agora disponível como uma funcionalidade

et ecac 1920x700

Gestão de alarmes inteligente e com boa capacidade de resposta

 

O Philips Alarm Advisor ajuda os médicos a reduzir os alarmes não acionáveis e alerta-os quando os limites definidos podem ser demasiado sensíveis.

 

A ferramenta apresenta uma notificação no ecrã, solicitando ao médico que avalie o estado do paciente e tome medidas ou personalize os limites de alarme do paciente.

Vídeo do Philips Alarm Advisor

Ruskin KJ, Hueske-Kraus D. Alarm fatigue: impacts on patient safety. Curr Opin Anaesthesiol. Dez. 2015;28(6):685-90 Wilken M, Hüske-Kraus D, Klausen A, et al. Alarm fatigue: causes and effects. Stud Health Technol Inform. 2017;243:107-111.

ECRI Top 10 Technology Risks 2017-18.

Keith J. Ruskina and Dirk Hueske-Kraus, Alarm fatigue: impacts on patient safety, Volume 28, Number 6, Dezembro 2015

Multicentric study of monitoring alarms in the adult intensive care unit (ICU): a descriptive analysis”, Intensive Care Medicine, 1999, V: 12 E:12, pp. 1360-1366.

Konkani A, Oakley B, Bauld TJ: Reducing hospital noise: a review of medical device alarm management. Biomed Instrum Technol 2012, 46(6):478-87

Görges M, Markewitz BA, Westenskow DR: Improving Alarm Performance in the Medical Intensive Care Unit Using Delays and Clinical Context. Anesth. Analg.  1 de maio de 2009,  108: 1546-1552

AAMI Foundation. Clinical alarm: 2011 Summit convened by AAMI, FDA, TJA, ACCE and ECRI Institute. 2011.

ECRI Institute. ECRI Institute Announces Top 10 Health Technology Hazards for 2015. www.ecri.org/press/Pages/ECRI-Institute-Announces-Top-10-Health-Technology-Hazards-for-2015.aspx2016.

10 Sendelbach S, Funk M. Alarm fatigue: a patient safety concern. AACN Adv Crit Care 2013;24:378–86. 10.1097/NCI.0b013e3182a903f9 www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24153215

11 Kowalczyk L. Suit over cardiac monitor settled - MGH patient died despite alarms. Boston Globe 2011. 

12 Kowalczyk L. ‘Alarm fatigue’ a factor in 2d death - UMass hospital cited for violations. Boston Globe 2011. 

13 Drew BJ, Harris P, Zègre-Hemsey JK, et al. Insights into the problem of alarm fatigue with physiologic monitor devices: a comprehensive observational study of consecutive intensive care unit patients. PLoS One 2014;9:e110274

14 1371 journal pone 0110274 www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4206416/

15 AAMI Foundation’s HTSI (Healthcare Technology Safety Institute): Using Data to Drive Alarm System Improvement Efforts: The Johns Hopkins Hospital Experience. Johns Hopkins Hospital 2012

16 Welch J: An evidence-based approach to reduce nuisance alarms and alarm fatigue. Biomed Instrum Technol  2011, Spring;Suppl:46-52

17 Imhoff M, Kuhls S, Gather U et al.: Clinical relevance of alarms from bedside patient monitors. Crit Care Med 2007, 35(suppl):A178

18 Just a nuisance? – Documento técnico sobre a gestão de alarmes

 

Isenção de responsabilidade geral: os resultados dos testemunhos de clientes não são preditivos de resultados noutros casos, em que os resultados podem variar.

*

Dados de Contacto

* Este campo é obrigatório

*
*
*
*
*
*
*
*
*

Especifique o motivo do seu contacto para nos permitir prestar-lhe um melhor serviço.

We work with partners and distributors who may contact you about this Philips product on our behalf.

*
*

Final CEE consent

You are about to visit a Philips global content page

You are about to visit the Philips USA website.

You are about to visit a Philips global content page

You are about to visit the Philips USA website.

Nosso site pode ser melhor visualizado com a versão mais recente do Microsoft Edge, Google Chrome ou Firefox.